Poluição na Baía de Guanabara, nunca mais!

Poluição na Baía de Guanabara, nunca mais!

O Programa de Despoluição da Baía de Guanabara (PDBG) foi anunciado na Rio 92, conferência das Nações Unidas que reuniu mais de cem chefes de Estado no Rio de Janeiro. Começou a ser executado dois anos depois, em 1994, mas nunca chegou a ser concluído.

Em duas décadas, a limpeza da Baía de Guanabara já passou por sete governos e consumiu quase R$ 3 bilhões de dinheiro público. Apesar disso, grande parte esgoto continua sendo jogado no mar praticamente sem tratamento.

Agora, surgiu o Psam (Programa de Saneamento Ambiental dos Municípios do Entorno da Baía de Guanabara), que prevê gastos de R$ 1,13 bilhão em obras de esgotamento sanitário e em projetos de saneamento nos 15 municípios do entorno da baía.

Mais um novo programa do governo para ajudar a despoluir a Baía de Guanabara. Como garantir que dessa vez dará certo?

A meta é sanear 80% da Baía de Guanabara até 2016, ano das Olimpíadas no Rio – hoje menos da metade do esgoto recebe tratamento. As competições de vela serão sediadas na baía, mas o próprio Lars Grael, dono de dois bronzes olímpicos, defende que o esporte seja transferido para Búzios por causa dos ventos e da qualidade da água.

Dessa vez, não podemos ficar esperando até 2016 para ver se o programa vai dar certo. Queremos que a Secretaria Estadual do Ambiente e a Cedae divulguem um cronograma com metas anuais do Psam para que a população, as universidades e a mídia possam fiscalizar e garantir o sucesso da tão almejada despoluição!

Deixe seu comentário